voltar

DESCUBRA O VINHO ALEMÃO EM 13 REGIÕES: A PÉ OU DE BICICLETA

 

Durante séculos, as pessoas têm produzido vinho no território alemão, celebrando-o como parte do seu modo de vida. O país contabiliza nada menos que 13 diferentes regiões vinícolas, nas quais os visitantes podem experimentar as distintas variações produzidas: Ahr, Médio Reno, Regiões do Mosel, Nahe, Palatinado e Rheinhessen (na Renânia-Palatinado), o Rheingau e Hessische Bergstrasse (Hessen), Franconia (norte da Baviera), Baden e Württemberg (Baden-Württemberg), Saale-Unstrut (Saxónia-Anhalt / Turíngia) e Saxônia (a menor região e situada no Vale do Elba, perto de Dresden).

Como parte de sua campanha "Culinary Germany", o German National Tourist Board (GNTB) uniu-se ao Instituto Alemão do Vinho para divulgar a bebida em todo o mundo. Em particular, destacam-se as muitas oportunidades de férias nas áreas de produção. Por exemplo, há itinerários temáticos para caminhantes e ciclistas que aliam visitas a modernas lojas de vinho e restaurantes, além de trilhas que levam o visitante a percorrer vinhedos íngremes, vales pitorescos vales e colinas suaves.

Se o assunto é passear, há desde excursões curtas até roteiros de vários dias. A trilha "Wein und Stein" (de 7 km de extensão), em Heppenheim, por exemplo, incorpora 70 pontos de verificação com painéis informativos ilustrados que explicam todo o processo de produção de vinho. Já os caminhantes mais experientes vão apreciar o desafio do Römersteig, em Mosel, uma bela trilha de 15 km que sobe 600 metros e presenteia os turistas com uma visão da história de dois mil anos da vitivinicultura e vistas espetaculares do sinuoso Rio Mosela. Por sua vez, Saale-Unstrut, região vinícola mais ao norte da Alemanha, possui uma impressionante rede de trilhas que cobrem quase 700 quilômetros. A região, por sinal, é ideal para tours de bicicleta, asim como todos os vales de outras áreas de produção, como o Vale do Reno, Meno, Mosela e Neckar.

No Palatinado, fica Landau, orgulhosa de seus 2.000 hectares de vinhedos, fato que a torna uma das maiores comunidades vinícolas da Alemanha. Lá são produzidos vinhos como o Riesling, Silvaner e Burgunder. De maio a outubro, oito vilas vinícolas que compõem o distrito de Landau festejam o vinho em festivais a céu aberto. As vinícolas passam de geração para geração, como é o caso da Pfaffmann. Esta, que é de 1616, está na 18ª geração da mesma família, sendo um dos produtores mais tradicionais da região da Pfalz ou Palatinado. Além disso, é, atualmente, o maior produtor de uvas orgânicas do país. Em sua produção, utiliza apenas 20% das uvas para elaboração de vinhos próprios, garantindo, assim, a alta qualidade de seus rótulos.

Todos os anos, no último fim de semana de abril, as 13 regiões vitivinícolas da Alemanha, em conjunto com o Instituto Alemão do Vinho, organizam um fim de semana de vinhos e caminhadas em todo o país, incluindo pequenas degustações de vinho combinadas com passeios informativos e apresentações de vinho.

Vinho & Aspargos

Quando, há mais de dois mil anos, os romanos trouxeram o vinho para a Alemanha, eles também trouxeram os aspargos. Em muitas regiões vinícolas, como Rheinhessen, Baden, Pfalz e Sachsen, as videiras e os aspargos crescem lado a lado. Os elegantes vinhos brancos alemães harmonizam perfeitamente com o aroma delicado dos espargos brancos. “Ao escolher o vinho, deve-se tomar cuidado para não deixar que os aromas do vinho dominem os espargos delicadamente condimentados”, aconselha a Wines of Germany. “Seus parceiros ideais incluem as variedades com uma acidez suave, como Silvaner, Weißburgunder (Pinot Blanc), Grauburgunder (Pinot Gris) ou a MüllerThurgau”.

 

Um Silvaner, por exemplo, com seu aroma de ervas picantes, é uma ótima recomendação, especialmente quando as lanças brancas são preparadas da maneira tradicional alemã: al dente e em uma generosa porção com molho holandês ou manteiga derretida e presunto.

 

Para uma harmonziação realmente deliciosa, vale experimentar um elegante Weißburgunder (Pinot Blanc). Suas notas fornecem um excelente complemento para o prato. Nunca é demais lembrar que a Alemanha tem os maiores plantios de Pinot Blanc em todo o mundo. Esta variedade também combina exemplarmente com camarões ou lagostins na companhia de aspargos brancos. Como dica, quando este nobre vegetal for servido com um bom pedaço de carne, idealmente vitela ou porco, criando um prato com sabor mais intenso, o vinho que o acompanha também pode ser mais poderoso. Nesse caso, o Grauburgunder encorpado (Pinot Gris) é uma excelente escolha.

 

Na Alemanha, os espargos brancos são uma especialidade sazonal, disponível apenas até o dia de São João, em 24 de junho. O vegetal, sinônimo de uma cozinha leve e saudável, é baixo em calorias (apenas cerca de 20 calorias / 100 gramas), mas ao mesmo tempo rico em minerais, oligoelementos e vitaminas.

 

SOBRE O DZT

 

O Centro de Turismo Alemão (DZT) é o portal nacional do turismo na Alemanha, com sede em Frankfurt amMain. A instituição representa a Alemanha como país turístico em nome do Ministério da Economia e Tecnologia (BMWi), que a apoia conforme uma resolução do Parlamento Federal alemão. O DZT desenvolve e comunica estratégias e produtos para ampliar no exterior a imagem positiva dos destinos turísticos alemães e para promover o turismo no país. Para isso, mantém 30 representações nacionais em todo o mundo. Mais informações no centro de imprensa do portal www.germany.travel/presse. Para fotos, acesse, http://www.dzt.picworld-touristic.de

 

 

 

voltar